A acne é, com certeza, uma das queixas que mais chegam até a minha clínica. Afinal, o impacto que ela exerce não é apenas nas características físicas de quem apresenta essa afecção, mas, também, na saúde mental desses pacientes, já que essa condição está associada à baixa autoestima, à depressão e à ansiedade. 

Por isso, é evidente a necessidade de dominar os seus aspectos fisiológicos e as condutas terapêuticas que podem ser elencadas no tratamento para, então, promover o bem-estar de forma integral. 

Sendo assim, eu trago um pouco do raciocínio clínico aplicado à acne.

Entenda a fisiopatologia

Existem quatro principais mecanismos que envolvem o desenvolvimento da acne:

  • Aumento da produção sebácea;
  • Alteração nos processos de queratinização;
  • Aumento na colonização do folículo pilossebáceo por bactérias;
  • Mediação dos processos inflamatórios.

Aumento da produção de sebo

De forma geral, a produção exacerbada de sebo deriva de uma maior sensibilidade da glândula sebácea à estimulação hormonal.

Além disso, sabe-se que essa substância tem relação com a comedogênese, com aumento no desenvolvimento do P. acnes e com a obstrução do folículo piloso (o que promove o crescimento bacteriano).

Alteração dos processos de queratinização

A hiperproliferação epitelial folicular e a retenção de queratinócitos levam ao tamponamento do ducto pilossebáceo, o que resulta em um acúmulo de sebo nos óstios. Esse, por sua vez, tem a sua saída bloqueada da região.

Proliferação descontrolada de bactérias

Em decorrência do processo descrito anteriormente, tem-se um ambiente propício para o desenvolvimento de bactérias (em especial, da Propionibacterium acnes): lúmen obstruído que, por isso, se encontra rico em lipídeos e com pouco oxigênio.

Processo inflamatório

Em resposta à presença de bactérias nas unidades pilossebáceas, e com o intuito de as fagocitar, o organismo produz uma inflamação. Esse processo inflamatório associado à hiperprodução sebácea pode levar a uma pustulização, na qual a pele rompe e o conteúdo é extravasado.

Plano de tratamento

A partir do momento em que dominamos os mecanismos fisiológicos relativos ao surgimento da acne, torna-se possível definir quais condutas terapêuticas podem ser elencadas para tratar essa condição.

Por isso, os recursos optados devem promover:

  • Controle da produção sebácea;
  • Inibição da hiperqueratinização folicular;
  • Bloqueio da proliferação bacteriana;
  • Diminuição do processo inflamatório.

Controle da produção sebácea

Quando o intuito é conter o processo em que há produção exacerbada de sebo, um ativo tópico que tem grande eficácia é a niacinamida, já que tem o poder de controlar essa atividade.

Inibição da hiperqueratinização folicular

Dentre os recursos de eletroterapia, o LED azul (470 nm) é um importante aliado quando o assunto é diminuir a queratinização. 

Em relação aos ativos tópicos, o ácido salicílico apresenta propriedades lipofílicas; isto é, tem afinidade com gordura e, portanto, penetra com facilidade na unidade do folículo pilossebáceo, inibindo a hiperqueratinização no terço médio dessa região.

Além disso, o ácido glicólico também tem importante ação no processo de queratinização.

Bloqueio da proliferação bacteriana

Quando nos remetemos à eletroterapia, o recurso que apresenta ação bactericida e, por isso, é eficaz no controle da proliferação bacteriana, é o LED azul (por volta de 470 nm).

Quanto ao ativo tópico que possui o mesmo propósito terapêutico, temos o ácido glicólico, que tem a capacidade de diminuir a proliferação da bactéria P. acnes.

Diminuição do processo inflamatório

O laser vermelho (em torno de 658 nm), devido à sua característica de produzir efeitos modulares nas citocinas de macrófagos e de outras células, é um potente anti-inflamatório. 

Ainda, quando não aplicado em pH baixo, o ácido salicílico inibe a cascata de inflamação; por isso, é um excelente peeling químico.

Dicas para tratar a acne

Antes de mais nada, ressalto que qualquer conduta terapêutica deve se basear em uma anamnese detalhada do paciente, unida ao raciocínio clínico. 

Controle os agentes causadores

Para que o tratamento seja efetivo, é fundamental definir os agentes causadores da afecção e os afastar da rotina do paciente. Quanto à acne, existem diversas razões que levam ao seu surgimento, desde fatores hormonais e uso de cosméticos até atividade intestinal.

No entanto, a alimentação é o principal determinante de quadros acneicos, principalmente quando há alto consumo de laticínios, gorduras e carboidratos.

Extraia a acne

Estudos já confirmam que a acne é entendida, pelo nosso organismo, como um corpo estranho. Por esse motivo, quanto mais tempo ela permanecer na região, maior será a resposta inflamatória e, consequentemente, maior será a lesão e a cicatriz, também.

Além disso, lembro que os nossos pacientes costumam fazer a extração de qualquer forma, mas sem os cuidados que um profissional teria para evitar contaminação. É por isso que extrair a acne é um processo essencial no tratamento dessa afecção.

Aposte no curativo hidrocoloide

Para evitar que o paciente contamine a região e torne a lesão ainda maior, o curativo hidrocoloide é uma ótima opção. Antes da aplicação, a pele deve ser higienizada com hidrofibra com prata, hidrogel com PHMB, fototerapia e ácido glicólico.

Porém, atento ao fato de que esse não é um recurso que apresenta objetivos terapêuticos.

Saiba mais

Para entender mais sobre o raciocínio clínico da acne, temos, na Plataforma Estética Experts, uma live completa sobre o assunto. Confira!

REFERÊNCIAS

Raciocínio Clínico Aplicado à Estética Facial (https://editora.esteticaexperts.com.br/livro/raciocinio-clinico-aplicado-a-estetica-facial/)

Bases e Métodos de Avaliação Aplicados à Estética (https://editora.esteticaexperts.com.br/livro/bases-e-metodos-de-avaliacao-aplicados-a-estetica/)

Peelings Químicos Magistrais e Abordagens Terapêuticas (https://editora.esteticaexperts.com.br/livro/peelings-quimicos/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here